A Associação de Estudantes Cabo-verdianos de Coimbra (AECVC) está a festejar o dia da independência desde 21 de Junho culminando hoje com um encontro entre primeiro-ministro, José Maria Neves, e os estudantes, numa mesa onde estiveram o presidente da AECVC, Samir Silva, o embaixador Arnaldo Andrade e o conselheiro da embaixada Eduardo Silva.
 
As preocupações transmitidas a José Maria Neves por parte dos estudantes centraram-se em temas como o apoio à investigação, o ajuste das bolsas de estudo ao Processo de Bolonha que implementou o sistema de 3 mais 2 e obriga a permanência dos estudantes nas universidades, na maioria das vezes sem meios para prosseguirem os estudos.
 
José Maria Neves demonstrou compreensão relativamente à situação dos estudantes em Portugal já que o próprio passou por “dificuldades semelhantes”. Em relação à sensação de abandono, aquando da chegada às cidades universitárias, pediu aos estudantes que já cá estão “maior união na recepção dos que chegam pela primeira vez”.
 
O chefe de governo disse que tem havido apoio à investigação, nomeadamente, no que concerne ao ensino público. Afirma, igualmente, que o sistema de ensino vai sofrer uma avaliação tal como a implementação da universidade pública que já está a decorrer.
 
À margem das preocupações dos universitários discutiu-se ainda a problemática da suspensão das alunas grávidas das escolas cabo-verdianas, como o caso da aluna do Liceu Januário Leite, uma questão colocada por Eurídice Monteiro. José Maria Neves assumiu que houve um equívoco da direcção do Liceu ao anular a matrícula da aluna em questão. Esclareceu que não existe medida de explusão das alunas grávidas mas suspensão porque “antes de 2001 as alunas acabavam por perder o ano por faltas e, consequentemente, o acesso ao ensino público após dois anos de reprovação”.
 
Actualmente, com a suspensão, as alunas podem retomar os estudos posteriomente sem ser representar a perda do ano lectivo. Aquele governante admite que a situação vai ser revista e que a suspensão poderá ser opcional.
 
Para o presidente da AECVC, Samir Silva, o objectivo das comemorações deste ano é levar a cultura do arquipélago junto dos conimbricenses e para isso foram realizadas várias acções ao ar livre. As festividades terminam amanhã, um dia repleto de actividades que inclui o lançamento do livro “Destino de bai”, uma conferência sobre o tema “Cabo Verde, modelo de desenvolvimento” entre outras presididas pelo primeiro-ministro que jantará com os estudantes.