O antigo dirigente político, que vai completar 90 anos no dia 20 de junho, devia ser hoje julgado em Paris acusado de incitação ao ódio e injúria pública, por declarações sobre homossexuais, visando nomeadamente um polícia morto num atentado na Avenida dos Campos Elíseos, em Paris, no ano passado.

O tribunal aceitou um pedido apresentado pelo advogado de Le Pen e o julgamento foi adiado para o dia 03 de outubro.

Jean-Marie Le Pen não quer “fugir ao trabalho da justiça”, quer, pelo contrário, comparecer perante os juízes para poder “dissipar um mal-entendido sobre o sentido das suas palavras”, constituindo uma “opinião”, afirmou o conselheiro citado pela agência France Presse.

O advogado entregou um certificado de hospitalização “de urgência e por tempo indeterminado”.

O cofundador da Frente Nacional, que presidiu ao partido durante quase 40 anos, já tinha sido hospitalizado com uma gripe no início de abril, tendo permanecido internado durante uma semana.

EO // JLG

Lusa/fim