O ministro da Presidência do Conselho de Ministros afirmou hoje que não há praias privadas em Cabo Verde, em reacção a proibição do acesso à praia de Quintalona, ilha do Sal, pelos proprietários do Hotel Porto Antigo.

Em conferência de imprensa, na Cidade da Praia, para dar conta dos resultados da sessão ordinária do Conselho de Ministros desta quinta-feira, 02, Démis Lobo Almeida disse que o Governo já está a analisar essa situação.

“Não há praias privadas em Cabo Verde e sobre essa questão já solicitamos os pareceres jurídicos necessários para reagirmos com serenidade, porque a questão que se poderá colocar é a nível do acesso à praia e nunca a nível de uma suposta privatização da praia, porque isso é absolutamente impossível nos termos do nosso sistema jurídico”, frisou.

O caso da proibição de aceder à praia de Quintalona na ilha do Sal, pela direcção do Hotel Porto Antigo, foi divulgada na última terça-feira pela reportagem da Televisão de Cabo Verde (TCV), em que duas senhoras alegaram terem sido expulsas da mesma.

É que para ter acesso ao local, as pessoas têm que passar pelo condomínio, mas a unidade hoteleira diz que quem quiser ter acesso à praia deve fazê-lo apenas via mar.

O sucedido já obrigou a tomadas de posições por parte de algumas entidades públicas, como o presidente da Agência Marítima Portuária (AMP), José Fortes, que disse que a pequena praia de Quintalona fica dentro de uma propriedade privada e por isso o acesso da população só é permitida com a autorização dos proprietários do Hotel Porto Antigo.

O presidente da Câmara Municipal do Sal, Jorge Figueiredo, posicionou-se contra a afirmação de José Fortes, dizendo que tanto a praia como o caminho de acesso são públicos.

O Comandante Regional da Polícia Nacional, por seu lado, já se manifestou publicamente que a corporação vai assegurar toda a protecção e segurança para quem quiser aceder à praia de Quintalona.

@Inforpress

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.