“Sobre a actividade sísmica no Fogo, dados do INMG apontam para um aumento da actividade sísmica há três ou quatro dias atrás, mas que não é nada que deva preocupar, nem é motivo de estarmos em pânico”, afirmou.

Paulo Rocha explicou que são cinco os níveis de alerta, sendo o nível 1 que é de repouso e nível 5, indicativo de actividade eruptiva.

Desde a última erupção, o vulcão do Fogo manteve o nível 2 e com o houve um ligeiro aumento da actividade sísmica, ponderou-se elevar para o nível 3, mas Paulo Rocha salientou que não houve a necessidade disso, tendo sido mantido o nível 2 mediante um acompanhamento que é diário e permanente das autoridades nacionais.

Num comunicado enviado aos órgãos da comunicação social esta quinta –feira, 28, o INMG indicou que do monitoramento feito, constatou-se que houve um aumento de actividades sísmicas em relação à que é habitualmente registada, por isso merece alguma atenção, mas não preocupação.

O instituto referiu que, sendo activo, o vulcão do Fogo é objecto de monitorização permanente e a análise dos dados é comunicada, sempre que necessário, às autoridades do país, seguindo o protocolo estabelecido.

“Estes desvios são absolutamente normais em vulcões activos, como é o caso do Fogo”, prosseguiu o instituto.

Por outro lado, esclareceu que, caso sejam sentidos tremores de terra em Chã das Caldeiras, localidade no sopé do vulcão, não significa, necessariamente, que irá acontecer uma erupção.

“Esses tremores fazem parte do comportamento habitual do vulcão e são resultantes da própria estrutura da ilha”, sublinhou o INMG.

Numa escala de 1 a 5, onde o 1 corresponde ao estado de repouso e o 5 ao eruptivo, o instituto cabo-verdiano indicou que o vulcão do Fogo encontra-se, neste momento, no nível 2, “o que não suscita preocupações maiores de momento”.

“O INMG mantém as autoridades informadas e recomenda calma à população da ilha do Fogo e, em particular, de Chã das Caldeiras, que devem seguir as instruções das autoridades de Proteção Civil”, terminou a nota.

O vulcão da ilha do Fogo entrou em erupção em Novembro de 2014 até Fevereiro de 2015, com inúmeros danos, mas sem registo de vítimas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.