Uma equipa da Imobiliária Fundiária Habitat (IFH) deslocou-se à ilha do Fogo para se inteirar da ocupação dos apartamentos do empreendimento “Casas para Todos” de Xaguate de Cima, ainda em fase incipiente de construções, mas que foram ocupados no início de Julho por um grupo de cerca de duas dezenas de pessoas.

O administrador da Imobiliária Fundiária Habitat, Carlos Évora, disse à Inforpress que ao todo são entre 15 a 20 famílias que ocuparam os apartamentos, tendo a equipa do IFH visitado o local e convidado as pessoas a desocuparem os apartamentos que não dispõem de condições de habitabilidade, de modo a permitir a Imobiliária poder dar continuidade, no futuro, às obras visando a sua construção.

Face à recusa das pessoas, a Imobiliária Fundiária Habitat (IFH), através de um advogado, accionou o poder judicial para ver desocupado o espaço, tendo sido intentada uma providência cautelar contra os ocupantes, pedindo ao tribunal da comarca de São Filipe que ordene a liberalização do espaço, já que entre IFH e os ocupantes não existe qualquer tipo de contrato ou acordo, nem de cedência, compra e venda ou de arrendamento.

A ocupação dos apartamentos de Xaguate Cima aconteceu depois da ocupação, no ano passado (Abril), dos apartamentos do empreendimento “Casa para Todos” do bairro de Fonte Aleixo/Cobom, São Filipe, que estavam praticamente concluídos e com portas, janelas e instalações sanitárias em alguns casos, e a proprietária do empreendimento aguarda ainda por uma decisão judicial visando a desocupação do espaço.

No quadro do programa “Casa para Todos”, a ilha do Fogo foi contemplada com cerca de 200 moradias (196) das classes A, B e C, das quais 112 foram concluídas, sendo 52 no município dos Mosteiros e 60 no de Santa Catarina do Fogo, e 84 habitações no município de São Filipe, nos bairros de Cobom (24) e Xaguate Cima (60) ainda por concluir, mas já estão praticamente ocupados.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.