Saturnino Baptista tomou o exemplo da missa da festa, celebrada no pátio da Escola Secundária António Januário Leite “com respeito por todas as regras sanitárias exigidas”, para fazer notar que, com um pouco de querer e de criatividade, seria possível realizar essa sessão solene que seria a última deste mandato e a derradeira oportunidade que as forças políticas em presença tinham para fazerem o balanço do desempenho da edilidade.

“A nossa Assembleia Municipal tem funcionado aquém do desejado”, criticou Saturnino Baptista, do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), que avançou à Inforpress que o balanço que faz do desempenho da Câmara Municipal do Paul “não é positivo” neste mandato, tendo em conta “o volume de promessas feitas e não cumpridas”.

“Consideramos que o município tem as suas dificuldades, mas por aquilo que foi prometido e pelos recursos que ouvimos dizer que foram canalizados, podia ter sido feito muito mais”, disse Saturnino Baptista que reclama “uma nova visão, uma nova dinâmica e um novo rumo para conduzir melhor os destinos deste município”, concluiu Baptista.

Já o líder da bancada do Movimento para a Democracia (MpD, que suporta a câmara), Bartolomeu Cruz, faz um balanço muito positivo do desempenho da edilidade durante o actual mandato tendo em conta que, adiantou, foi feito aquilo que constava do programa eleitoral do seu partido.

“Conseguimos dar uma resposta muito positiva neste mandato e estamos muito satisfeitos”, afiançou Bartolomeu Cruz que aproveitou a oportunidade para avançar algumas realizações em vários sectores, nomeadamente na habitação social, na infra-estruturação e na ligação das diferentes localidades do município, seja com a reabilitação de estradas, como com a construção de micro-pontes.

Os dois líderes políticos avaliaram positivamente a organização da missa solene, das poucas actividades realizadas na festa deste ano, celebrada a 13 de Junho, mas lamentaram o momento que se vive na ilha e que impediu a realização da parte não religiosa da festa.

Para Saturnino Baptista a organização da missa da festa foi “uma autêntica aula” de como conviver com o coronavírus, causador da covid-19, e “só por isso valeu a pena”.

Por seu lado, Bartolomeu Cruz considerou que foi “uma festa atípica”, mas que foi uma satisfação poder celebrar, dessa forma, a festa de Santo António das Pombas.

O Paul, que festejou o seu dia de Município condicionado pela pandemia da covid-19, é um concelho que se situa no extremo nordeste da ilha de Santo Antão, tem 54,26 quilómetros quadrados (km²) de superfície e uma população de 5.647 habitantes, em 2018, menos 142 que no ano anterior.

Dados estatísticos divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) indicam que 57,9 por cento (%) da sua população são indivíduos de sexo masculino e 42,1 % de sexo feminino, com idade média de 33,6 anos.

Segundo a mesma fonte, a população do Paul representa 14,6% do total da ilha de Santo Antão e está reunida em 1.816 agregados familiares.

A taxa de ocupação da população activa é de 46,0% e a taxa de desemprego de 6,8%, com o desemprego jovem (15-24 anos) na casa dos 24,5%.

O Paul tem uma taxa de alfabetização de 74,8% na faixa etária superior a 15 anos, mas a taxa sobe para 95,5% na faixa etária dos 15-24 anos.

Ainda citando uma brochura divulgada pelo INE no dia da festa do município do Paul de 2019, o quesito das condições de vida indica que 87,8% da população tem acesso à electricidade, 74,3% tem casa de banho, 78,2% tem acesso à água da rede pública, 73,9% usa contentores, 65,0% usa gás butano e 29,0% usa lenha para cozinhar.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.