No discurso de encerramento, a líder da bancada parlamentar do MPD (poder), Joana Rosa, começou por criticar a presidente do PAICV (oposição), Janira Hopffer Almada, por ter rasgado algumas folhas do programa do Governo, considerando que se tratou de um acto “inédito” em Cabo Verde.

Joana Rosa, depois de apontar algumas falhas da governação do PAICV, que segunda ela deixou o país com uma “grande dívida pública”, disse que actual governação é a que mais investiu na área social, com a reabilitação de mais de quatro mil habitações sociais.
Elencou ainda a criação de emprego público no mundo rural, a criação da pensão social, do rendimento emergencial e apoio aos idosos, como o “rosto humano” de um Governo que “trabalha para as pessoas que mais precisam”.

Para Joana Rosa, este Governo já deu exemplo que “sabe enfrentar as dificuldades”, apontando os três anos de seca e a luta contra a covid-19, que segundo a deputada, veio travar a dinâmica económica do País.

Para terminar, Joana Rosa prometeu que “daqui a um ano”, o MpD vai apresentar um novo programa de governação para continuar a desenvolver a economia e reduzir o desemprego.

Por sua vez, o líder da bancada do PAICV, Rui Semedo, disse que o Estado da Nação “não é bom”, uma vez que o programa da governação do MpD “pifou” por não ter cumprido os compromissos essenciais.

“Se analisarmos o Estado da Nação, com sinceridade e responsabilidade, podemos constatar que não é bom, porque acontece no pior momento que o País está a viver, num contexto de crise internacional desfavorável e com grande penúria da população”, notou Rui Semedo, considerando que o Estado da Nação reflecte o sentimento da população

“Se o Estado da Nação é o sentimento da população no momento que estamos a avaliar o País, podemos dizer que é um sentimento de tristeza”, explicou o líder da bancada do maior partido da oposição.

Já o deputado António Monteiro, da UCID, reiterou a sua proposta da diversificação da economia cabo-verdiana, designadamente na pesca e agricultura, assim como nos apoios aos jovens cujos pais perderam o emprego.

“Este deve ser a função do Governo, que não deve esquecer que a sua função é resolver os problemas dos cabo-verdianos”, indicou.

O Parlamento aprovou esta quinta-feira, 30, o Orçamento Rectificativo de 2020, bem como a proposta de lei que procede à quarta alteração do Código Penal, aprovado pelo Decreto-legislativo nº 4/2003, de 18 de Novembro, o Orçamento Privativo Rectificativo da Assembleia Nacional, com uma redução superior a 100 mil contos, e a proposta de resolução que elege os membros das Comissões de Recenseamento Eleitoral da Diáspora.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.