Promovido pela Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos (APRH) e as congéneres do Brasil (ABRHidro), Cabo Verde (ACRH) e Moçambique (Aquashare), o 14º Simpósio de Hidráulica e Recursos Hídricos dos Países de Língua Portuguesa, acontece de 17 a 20 deste mês, na Praia sob o lema “25 anos construindo a comunidade da água da CPLP”.

Segundo o ministro da Agricultura e Ambiente, de Cabo Verde, Gilberto Silva, a água passou a ser um recurso escasso nível mundial e o desafio está relacionada não apenas com a escassez, mas também com a boa gestão e as tecnologias atinentes ao uso sustentável deste liquido.

“O SILUSBA constitui um espaço de partilha, de troca de experiências, de conhecimento técnicos científicos, mas também de formação entre os vários agentes relacionados com o sector da água a nível da CPLP e os resultados vão contribuir para o afinamento e melhoria da definição das politicas públicas dos nossos países, mas também da sua execução”, sublinhou o governante, que disse esperar que o encontro possa ajudar também o arquipélago na definição da sua intervenção para fazer fase a seca, mas sobretudo para traçar e implementar medidas de resiliência em relação a esta temática.

Por seu turno, o ministro do Ambiente e Transição Energética de Portugal, João Pedro Matos Fernandes, reconheceu que o mundo hoje está confrontado com a escassez dos recursos hídricos e que neste momento são necessárias medidas de longo prazo que passa por gastar menos.

“Os territórios são todos diferentes, não há estratégias únicas, mas claro que se podem partilhar tecnologias, e aquilo que temos feito a partir do fundo ambiental e em 3 anos já são 6 milhões de euros investidos é ajudar outros países mormente Cabo Verde a construir a sua própria estratégia, sendo que quando se fala de território de recursos natural não há exportação directa de tecnologia e cada país terá de fazer a sua escolha”, disse o ministro, frisando que apesar das diferenças do ponto de vista geográfico é importante a troca de experiências entre os países.

Para o governante português, o ambiente de partilha de conhecimento e de experiência proporcionado pelo simpósio irá contribuirá certamente para uma melhor sensibilização dos decisores políticos sobre o que fazer para superar os desafios que são cada vez mais complexos na gestão da água.

Durante o evento, os participantes vão analisar e debater vários temas visando encontrar soluções para os problemas específicos e comuns que caracterizam a gestão dos recursos hídricos de cada um dos países-membros, assim como para partilhar os avanços técnicos e científicos da governança sustentável deste recurso.

O simpósio irá decorrer em sessões temáticas com destaque para a “Adaptação às mudanças climáticas – educação para uma nova cultura da água”, “As TIC na gestão de recursos hídricos/tecnologias móveis, acesso aberto à informação e ferramentas de gestão” e “Gestão de zonas costeiras e orlas marítimas”, entre outros temas.

Estão ainda previstas sessões especiais, de entre as quais uma dedicada ao tema “Construindo a comunidade da água da CPLP” e outra sobre “Planos de gestão de regiões hidrográficas: que modelos para os países da CPLP”.

O SILUSBA tem como objectivos principais promover o avanço do conhecimento nos domínios da hidráulica e dos recursos hídricos e estimular o intercâmbio de ideias e de experiências no sector.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.