A entrega simbólica do cheque de 6,5 milhões de escudos (59 mil euros) aconteceu no Palácio do Governo, na cidade da Praia, e foi feita pelo presidente da Associação das Empresas Chinesas em Cabo Verde, Zhang Dengquan, ao presidente do Fundo Nacional de Emergência (FNE), José Luís Semedo.

O presidente da Associação das Empresas Chinesas em Cabo Verde, Zhang Dengquan, notou que a covid-19 já se espalhou por todo o mundo e representa um grade risco para a população cabo-verdiana, pelo que exige uma resposta conjunta mundial.

Zhang Dengquan falou em nome de 10 empresas chinesas em Cabo Verde, que têm contribuído e ajudado o Governo e as populações locais no combate à pandemia, implementando igualmente todos os regulamentos de prevenção.

"As nossas empresas também fazem parte da sociedade cabo-verdiana e têm responsabilidade de participar na prevenção desta doença e têm a obrigação de participar com o povo cabo-verdiano na luta conta a pandemia", frisou o empresário.

Por sua vez, o presidente do Fundo Nacional de Emergência (FNE), José Luís Semedo, agradeceu aos empresários chineses pelo "nobre gesto de solidariedade", garantindo uma "gestão metódica" do valor, fazendo com que os destinatários finais da doação sejam os que mais necessitam.

Em representação do Governo, o diretor Nacional de Assuntos Políticos, Económicos e Culturais, Júlio Morais, sublinhou que o ato simboliza "sobremaneira" a natureza humana e abrangência das relações entre os dois países e os dois povos.

"A manifestação de solidariedade da República Popular da China para com Cabo Verde nesta conjuntura continua a ser especial e muito bem-vinda e muito bem valorizada pelos cabo-verdianos", salientou.

Além da ajuda governamental, Júlio Morais notou que a sociedade civil e empresarial chinesa também implicou-se nos apoios, seja na China, seja em Cabo Verde.

"Para além das duas levas de ajuda bilateral, para além da ajuda da Embaixada, das duas levas da ajuda da Fundação Jack Ma, seria injusto também não mencionar os apoios vários que tivemos de Macau", prosseguiu o membro do Governo, que prometeu uma gestão eficaz e eficiente do apoio.

Na sexta-feira, a Associação de Comerciantes Chineses da cidade da Praia ofereceu mais de 40 mil máscaras ao Ministério da Saúde e da Segurança Social, no âmbito do combate ao novo coronavírus no arquipélago.

Os comerciantes chineses nas diversas ilhas do arquipélago têm oferecido vários equipamentos, como máscaras e viseiras, dinheiro e alimentos a várias instituições cabo-verdianas, para fazerem face aos efeitos do novo coronavírus.

Cabo Verde regista um total acumulado de 260 casos de COVID-19, desde o primeiro em 19 de março, distribuídos pelas ilhas de Santiago (201), Boa Vista (56) e São Vicente (3).

Do total, 59 doentes são considerados recuperados, enquanto duas pessoas acabaram por morrer, uma na Praia e outra na Boa Vista.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de COVID-19 já provocou mais de 280 mil mortos e infetou mais de quatro milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de 1,3 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.