O ministro da Saúde, Olivier Véran, apresentou as suas propostas para acelerar a transformação do sistema de saúde. 50 milhões de euros vão ser desbloqueados para financiar a abertura ou a reabertura de 4000 camas nos hospitais.

É uma série de medidas que visam devolver mais espaço aos territórios na organização dos curativos e de responsabilidades às equipas médicas. Estas medidas surgem após os primeiros acordos assinados a 13 de julho de revalorização dos ordenados do pessoal hospitalar, acrescenta, LE MONDE.

A nível europeu, LE FIGARO, titula, Europa: questões sobre um acordo histórico. Mal regressou de Bruxelas o Presidente foi à Televisão defender o plano de relançamento económico. Não serão os contribuintes franceses a pagar esta dívida, garantiu Macron. O plano é de facto revolucionário.

No entanto este acordo não é senão uma partida de um longo percurso perigoso. Antes da comissão europeia pedir o empréstimo ao mercado, os 27 terão de obter luz verde dos parlamentos nacionais e regionais da União europeia para aumentar os rercursos do orçamento do grupo dos 27. Há muitas outras incógnitas como a questão de verbas próprias que poderão dar lugar a muitas guerrinhas entre os 27 membros, nota, LE FIGARO.

LE MONDE destaca a intervenção do presidente francês na rádio e televisão, com Macron a defender o plano de recuperação económica para os 27 da União europeia. Depois de crises sucessivas acumuladas durante o seu mandato, Macron, pensa agora ter obtido a sua vitória.

“É o momento mais importante da vida da nossa Europa”

Uma vitória histórica e europeia tirada a ferros com a chancelar alemã Angela Merkel e o presidente europeu, Charles Michel nas negociações de Bruxelas para se chegar a acordo sobre o plano de relançamento económico da Europa de 750 mil milhões de euros.

“É o momento mais importante da vida da nossa Europa, desde a criação do euro e quero que os nossos concidadãos meçam a importância disto”, declarou entusiasmado, o Presidente Macron, citado pelo vespertino, LE MONDE.

Europa, Danke Schön, Europa, obrigado, é o título do LIBÉRATION. Graças ao volte face de Merkel sobre a mutualização das dívidas, os 27 adoptaram ontem um acordo histórico, abrindo a via a uma federalização da União.

Europa deu mais um passo, titula, LA CROIX. No final duma cimeira histórica os 27 chegaram a acordo sobre o plano de 750 mil milhões de financiado pela primeira vez pela dívida comum.

Por seu lado, L’HUMANITÉ, titula, sobre o Brasil debaixo das botas dos militares. Nunca desde a ditadura os militares tiveram tanto poder como agora sob a presidência de Bolsonaro. Há um casamento dos militares e o mercado e tradicionalmente defensores do soberanismo, os militares alinham-se sempre pela política de Washington.

No seu editorial sob as botas, L’HUMANITÉ, sublinha que desde a proclamação da república até à chegada da extrema direita o exército e a política sempre estruturam a vida pública brasileira.

Sobre o continente africano, LE FIGARO, destaca Abidjan e Uatara que prepara a sua candidatura. Após a morte do seu sucessor designado, o presidente garante que não tem outra solução senão apresentar-se às próximas presidenciais.

Ainda não há nada de oficial, mas ninguém duvida que Alassane Uatara vai candidatar-se para um terceiro mandato presidencial. Na CEDEAO e sobretudo nos países francónos, os analistas dizem que há um recuo há vários anos da democracia e agora com o exemplo de Uatara isso torna-se uma evidência”, acrescenta, LE FIGARO.

A terminar uma nota futebolística, como AUJOURD’HUI EN FRANCE/LE PARISIEN, a destacar o brasileiro Tiago Silva no último jogo de ontem à noite no  Parque dos Príncipes, no final duma vitória de 4/0 sobre o Celtic de Glasgow, fez um adeus com lágrimas nos olhos ao público terminado o seu contrato

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.