A Associated Press, sem identificar as fontes, refere que o calendário das legislativas de 2019 pode ser antecipado e anunciado já na próxima semana.

As últimas sondagens apontam para uma vantagem significativa de Netanyahu, o que pode permitir ao primeiro-ministro aprofundar, no futuro, as relações com o presidente norte-americano, Donald Trump, e incrementar os aspetos relacionados com a “agenda nacionalista” contra o regime iraniano.

De acordo com a AP, o grande obstáculo é a investigação judicial sobre alegados atos de corrupção cometidos pelo primeiro-ministro que pode vir a ser acusado formalmente pelo tribunal.

Mesmo assim, caso consiga ser reeleito — no quadro das eleições antecipadas — o novo governo deve mantar as mesmas características religiosas e nacionalistas.

Na segunda-feira, o discurso parlamentar do primeiro-ministro indicava que Netanyahu prepara-se para apresentar nova legislação sobre o recrutamento militar dos judeus ortodoxos, uma matéria que está a provocar divisões entre os ministros que compõem o executivo.

O Supremo Tribunal de Israel estabeleceu o dia 02 de dezembro como data limite para a aprovação da lei.

Segundo a AP se os ministros continuarem a mostrar inflexibilidade sobre a questão, Netanyahu pode usar a crise governamental como pretexto para dissolver o parlamento e antecipar as legislativas.

Entretanto, as eleições municipais devem realizar-se no final do mês de outubro.