A comité municipal da luta contra coronavírus esteve reunido na manhã de hoje, para de entre outros pontos analisar a chegada do vírus na ilha, assim como determinar os procedimentos a serem implementados doravante, a fim de se evitar a propagação da doença no Maio.

Segundo Miguel Rosa, a ilha está numa outra fase de combate à covid-19, visto que a primeira fase foi de evitar e atrasar a chegada do vírus à ilha, graças a uma articulação “muito boa”, entre os vários parceiros que compõe o comité municipal, mas com a detecção do primeiro caso, o momento é de união na luta contra esta doença e, para tal, exortou os maienses a seguirem e respeitarem as normas sanitárias.

“São convocados os sete mil habitantes da ilha do Maio para darmos combate a este inimigo, utilizando as nossas armas, quais sejam, lavar as nossas mãos com frequência, usar as máscaras em espaços públicos, bem como respeitar o distanciamento social e evitar aglomeração de pessoas, temos de vencer esta luta, e este combate, mas com muita disciplina seguindo as orientações sanitárias”, apelou.

Miguel Rosa enalteceu o trabalho que a Delegacia de Saúde tem vindo a realizar nesta luta, destacando a sua rapidez na detecção do vírus logo a entrada, realçando que o mais importante é sempre detectar o vírus o mais cedo possível para evitar a propagação nas comunidades.

O autarca lembrou ainda que o “inimigo”, entrou na ilha no quadro do programa “Regresso à Casa” dos maienses, algo que disse ser necessário. De todo modo, garantiu que as autoridades locais estão trabalhar, no sentido de evitar a propagação desta doença na ilha do Maio.

Miguel Rosa aproveitou para exortar aos residentes, assim como aqueles que visitem a ilha nos próximos dias, com a reabertura das viagens aéreas, para evitarem a propagação comunitária, admitindo que possivelmente outros casos poderão surgir, mas se todos cumprirem com as suas obrigações esta luta vai ser ganha o mais cedo possível.

O autarca informou ainda que até o momento já chegaram à ilha cerca de 60 pessoas provenientes das outras ilhas e garantiu que a câmara vai continuar a prestar os seus serviços de forma normal como tem vindo a fazer até o momento.

“A partir de hoje já temos um plano de intervenção a nível de programa de sensibilização através da rádio comunitária, e também vamos utilizar carro de som e ter uma presença efectiva nas comunidades, mas cada um deve ser um soldado nesta batalha”, informou.

Cabo Verde regista um total de 1165 casos positivos acumulados de covid-19 distribuídos pelas ilhas de Santiago 881 (75,62%) Sal 207 (17,77%), Boa Vista 57 (4,89%) São Vicente 12 (1,03%) Santo Antão 4 (0,34%) Maio 2 (0,17%) e São Nicolau 2 (0,17%).

Do total, o país contabiliza ainda 12 óbitos, dois doentes foram transferidos para os seus países e tem neste momento 543 casos activos da doença e 608 casos recuperados.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 501 mil mortos e infectou mais de 10,16 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.