O Presidente da República prorrogou na passada quarta-feira, 13, o estado de emergência por mais duas semanas na ilha de Santiago, a vigorar das 00:00 do dia 15 até às 24:00 de 29 de Maio.

“Na sequência de consultas a diversas entidades técnicas, políticas e da sociedade civil, e ouvido o Governo, nos termos constitucionais, considerei necessário prorrogar o estado de emergência para a ilha de Santiago, no período compreendido entre as 00:00 do dia 15 de Maio de 2020 às 24:00 do dia 29 de Maio do corrente”, comunicou Jorge Carlos Fonseca, na noite desta quarta-feira, a partir do Palácio Presidencial, no Platô.

“Congratulamo-nos com a terceira prorrogação do estado de emergência da sua excelência o senhor Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, por um lado por respeitar a situação epidemiológica da cidade da Praia, mas por outro pelas flexibilidades”,  afirmou José Nunes Soares, em declarações à Inforpress.

É que, segundo ele, a população já está “cansada e stressada” e quer voltar ao à normalidade.

“Felizmente que as pequenas obras podem ser retomadas e alguns serviços públicos. Creio que paulatinamente vamos poder entrar nessa nova normalidade”, congratulou-se.

Aliás, no seu entender, se essa normalidade não acontecer as pessoas e os municípios vão ficar num “situação difícil”, lembrando a Câmara Municipal do Tarrafal tem praticamente dois meses sem funcionar e sem receitas, mas que, no entanto, existem compromissos para com os fornecedores e funcionários que terão que ser honrados.

Daí que, segundo ele, o município acolheu de “bom agrado” essa flexibilização das medidas do novo decreto do estado de emergência para a ilha de Santiago, que vai permitir a retoma de pequenas obras e serviços municipais.

Relativamente à retoma dos serviços municipais, a mesma fonte avançou que, a câmara municipal já criou as condições mínimas que visam assegurar a saúde dos funcionários e dos utentes.

“Já adquirimos máscaras comunitárias, viseiras, álcool gel e separadores, ou seja, já estamos em condições de ir retomando gradualmente as nossas actividades. O resto obviamente caberá aos munícipes e aos cidadãos, e é bom que cada um continue a fazer a sua parte para que conjuntamente possamos estancar essa pandemia”, afiançou.

No entanto, informou que a autarquia está a espera de uma orientação da secretaria de Estado da Administração Pública para que possam estabelecer balizas para a retoma dos serviços municipais aos cidadãos e munícipes, iniciado a partir de hoje.

Durante a entrevista, José Nunes Soares disse esperar que esta seja a última declaração do estado de emergência a ser decretado na ilha de Santiago, tendo em conta que, segundo ele, as pessoas têm que conviver com o vírus.

É nesse sentido, que o chefe do executivo apelou mais uma vez que cada um faça a sua parte, e que os serviços públicos e privados criem condições que permitem segurança às pessoas, visando esta retoma da vida, que a seu ver, tem que continuar.

“Este é um País com muitas vulnerabilidades, há que trabalhar, produzir e fazer com que a economia funcione e que o dinheiro circule”, exteriorizou o autarca tarrafalense.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.