Um enviado especial do Governo chinês chega hoje à Coreia do Norte, num período de crescente isolamento do regime de Kim Jong-un, imposto com a aprovação da China, devido ao seu programa nuclear e de mísseis balísticos.

Song Tao, chefe do Departamento de Colaboração Internacional do Partido Comunista Chinês (PCC), será o primeiro funcionário com nível ministerial a visitar a Coreia do Norte, desde outubro de 2015.

Os meios oficiais chineses informaram que Song reunir-se-á com Kim Jong-un para transmitir os resultados do XIX Congresso do PCC, realizado em outubro passado, mas a visita coincide com um período em que Pyongyang enfrenta as mais duras sanções de sempre, após ter efetuado vários testes nucleares e com mísseis balísticos.

A China, que é o principal aliado diplomático e maior parceiro comercial do regime norte-coreano, votou a favor das sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU, e adotou ainda sanções unilaterais.

Durante a recente visita do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a Pequim, o Governo chinês disse à administração norte-americana que as sanções estavam a começar a ter efeito e poderão pressionar Pyongyang a retornar ao diálogo.

"É um passo importante. Vamos a ver o que acontece!", escreveu hoje Trump na rede social Twitter, sobre a visita de Song e a possibilidade de Pyongyang voltar à mesa de negociações.

Nos anos 1950, China e Coreia do Norte lutaram juntos contra os EUA. O PCC e o Partido dos Trabalhadores, formação política única na Coreia do Norte, têm ligações de longa data.

No entanto, desde que, em 2013, ascendeu ao poder, Xi Jinping nunca se encontrou com Kim Jong-un, tendo-se mesmo tornado no primeiro líder chinês a visitar a Coreia do Sul antes de ir à Coreia do Norte.

Em editorial, o principal jornal norte-coreano, o Rodong Sinmun, descartou hoje a hipótese de o país negociar o seu programa nuclear.

O texto assegura que Pyongyang já aprendeu que "não há outra forma de se opor à repressão imperialista dos Estados Unidos, a não ser através da dissuasão nuclear".

Nos últimos meses, os sucessivos ensaios nucleares de Pyongyang e a retórica beligerante de Trump elevaram a tensão para níveis inéditos desde o fim da Guerra da Coreia (1950-1953).

Lusa