Num comunicado lido à imprensa, na sua sede em Bissau, a CNE alertou para a necessidade de “promover ações concretas e céleres junto dos potenciais financiadores” para a disponibilização dos fundos prometidos, “caso contrário, o não cumprimento em tempo útil, implicará a sobreposição de atividades operacionais e perigará o escrupuloso cumprimento da data de 24 de novembro para as eleições presidenciais”.

Segundo o comunicado, lido à imprensa por Felisberta Vaz, porta-voz da CNE, até à data “nenhum fundo foi desbloqueado pelo Programa da ONU para o Desenvolvimento (PNUD), na qualidade de gestor de fundos doados pela comunidade internacional, alegando que as verbas prometidas pelos parceiros de desenvolvimento, ainda não refletiram nas suas contas bancárias por razões burocráticas”.

A CNE adverte também que a falta de verbas está a “condicionar o pagamento corrente dos encargos com o pessoal” e a ter reflexos numa série de atividades de sensibilização cívica, com início previsto para 23 de outubro.

As eleições presidenciais na Guiné-Bissau estão marcadas para 24 de novembro, estando a segunda volta, caso seja necessária, prevista para 29 de dezembro.

A campanha eleitoral vai decorrer entre 01 e 22 de novembro.

Segundo a ministra da Administração Territorial, Odete Semedo, as eleições presidenciais estão orçadas em 5,9 milhões de euros.

A União Europeia já anunciou um apoio de um milhão de euros, o Brasil 50 mil euros, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental 1,5 milhões de euros, o Japão 674 mil euros, e o PNUD 89 mil euros.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.