Num esforço para superar a sua imagem como o epicentro de duas pandemias do século XXI, a China lançou uma blitz de ajuda humanitária doando máscaras faciais, luvas e outros suprimentos médicos a países atingidos pelo COVID-19, o mais recente coronavírus que emergiu na cidade de Wuhan.

Com a ajuda, a China pretende redefenir-se como "uma potência responsável", segundo especialistas, alguns dos quais duvidam que a chamada "diplomacia das máscaras" de Pequim restaure uma imagem nublada por suspeitas de encobrimento por parte do governo.

Se a China tivesse atuado mais cedo

Um estudo britânico sugeriu que se a China tivesse agido mais cedo, o número de casos de coronavírus poderia ter sido reduzido em 95% e sua distribuição geográfica limitada.

Mas a China, depois de reduzir a propagação interna do COVID-19, bloqueando cidades e impondo outros controles para limitar o movimento e o contato, foi rápida a atuar além de suas fronteiras, poucas semanas depois de aceitar doações de máscaras e outros suprimentos médicos de doadores em todo o mundo.

A diplomacia das máscaras

Da Ásia à Europa, da América do Sul à África, a China está a fornecer ou prometeu assistência humanitária na forma de doações ou conhecimentos médicos.

Na quarta-feira, o ministro das Relações Exteriores francês, Jean-Yves Le Drian, disse que a China estava a enviar 1 milhão de máscaras e luvas cirúrgicas para ajudar a combater o coronavírus. O primeiro carregamento chegou na quarta-feira, informou a agência de notícias Reuters, que acrescentou que a França dera à China 17 toneladas de equipamentos para combater o vírus.

Entre outros desafios, o surto representa a maior ameaça ao setor de bens de luxo muito visível e muito rentável da França desde a recessão de 2008.

Na terça-feira, o líder chinês Xi Jinping prometeu ao primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez que “a China está disposta a responder às necessidades urgentes da Espanha e não poupa esforços para fornecer apoio e ajuda, além de compartilhar experiências em prevenção, controle e tratamento. " Begoña Gómez, esposa do primeiro-ministro, testou positivo para o vírus.

A 11 de março, Pequim enviou uma equipa de médicos especialistas para ajudar a Itália a combater um dos mais graves surtos mundiais de coronavírus fora da China. Na quinta-feira, a Itália superou a China com o maior número de mortes relacionadas ao coronavírus, em 3.405. No ano passado, a China assinou um acordo de 2,8 biliões de dólares com a Itália, o primeiro país desenvolvido a participar dos esforços da Iniciativa Um Cinturão, Uma Rota de Pequim.

Afirma-se uma potência responsável

Que a China deseja polir a sua imagem está claro num artigo publicado a 19 de março no oficial Diário do Povo: "A luta contra o coronavírus na China demonstra o papel da China como uma potência responsável".

O artigo começa com Xi : “Resguardamos resolutamente a segurança da vida e a saúde física do povo chinês. Também salvaguardamos resolutamente a segurança da vida e a saúde física das pessoas em todos os países do mundo e esforçamos-nos para contribuir para a segurança global da saúde pública” acrescentando “Diante do repentino surto de coronavírus, o Secretário Geral Xi Jinping solicitou claramente desde o início que a segurança e a saúde das pessoas fossem a primeira prioridade e solicitou explicitamente a expansão da cooperação internacional para a prevenção e controle de epidemias para refletir responsabilidade de uma potência responsável.

O artigo do People's Daily não menciona que a doença teve origem na China. No entanto, diz: “Atualmente, a epidemia está a espalhar-se globalmente e a situação é preocupante”. O artigo também não menciona que um suspeito encobrimento inicial por parte do governo chinês atrasou uma resposta global efetiva em dois meses, como sugeriu o consultor de segurança nacional dos Estados Unidos, Robert O'Brien, na semana passada.

A ajuda Chinesa

O artigo do People's Daily faz eco a outro artigo amplamente divulgado na mídia chinesa, intitulado "Há uma afetuosidade na pandemia global chamada" 'Ajuda da China.'
Publicado há alguns dias, concentra-se na ajuda humanitária que a China está a fornecer ao Paquistão, Coreia do Sul, Japão, Irão e Itália.

Enfatiza a rapidez com que a China mobilizou a ajuda e como os países são gratos. “Na epidemia global, existe um tipo de alívio chamado 'Medidas da China', um estilo chamado 'Responsabilidade da China', uma atitude chamada 'espírito chinês' e um tipo de afetuosidade chamado 'ajuda chinesa'”, dizia em parte .

O artigo continua: “A velocidade da China, o poderio chinês, o espírito chinês e a ajuda chinesa refletem a grande superioridade do sistema socialista com características chinesas, o que destaca a responsabilidade internacional da China como potência responsável. Como uma força importante para dissipar a névoa (o surto de coronavírus), a China continua a dar a sua maior e própria contribuição para manter a segurança da saúde pública global e a saúde e bem-estar das pessoas. ”

Restaurar a imagem da China

Alguns estudiosos acreditam que mascarar a diplomacia por si só pode não combater o problema de imagem da China. Na quinta-feira, o vírus atingia 166 países, com mais de 208 mil casos confirmados e 8 mil e 600 mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Stephen Roach, membro do corpo docente da Universidade de Yale e ex-presidente do Morgan Stanley Asia, disse ao Serviço em Mandarim da VOA que “a questão da máscara é significativa [a] um nível, mas não é um fator decisivo para reconstruir a percepção global sobre o papel da China na manutenção da qualidade da saúde pública. ”

Ele disse que se a China realmente quer restaurar a sua imagem internacional, Pequim deve começar por reformar os seus regulamentos e políticas de saúde pública. O surto de COVID-19 é a segunda pandemia originada na China nos últimos 17 anos.

“A coisa mais importante que acho que a China pode fazer é anunciar grandes reformas nos regulamentos e políticas de saúde pública, em vez de responder como produtor“ de máscaras e outros equipamentos médicos ”, disse Roach.

O COVID-19 emitiu "um alerta" às autoridades chinesas para não deixarem q "esse tipo de situação acontecer novamente", disse ele.

Da SARS ao COVID-19

Em 2003, a SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) espalhou-se por 26 países e resultou em mais de 8 mil casos e 800 mortes.

Como a SARS, acredita-se que o COVID-19 seja uma doença zoonótica, o que significa que salta de animais para humanos. Nos dois casos, o consumo humano de animais selvagens, como morcegos, é a provável via de transmissão.

O padre Bernardo Cervellera é o editor da AsiaNews, uma agência de imprensa oficial do Instituto Pontifício para as Missões Estrangeiras (PIME). A 12 de março, dois dias depois que a China prometeu enviar as máscaras e especialistas médicos para a Itália, ele escrevia que Pequim está tentar mascarar seu papel no que a OMS classificou de pandemia a 11 de março.

Escreveu ele: “E isso não se refere apenas à venda de animais selvagens no mercado de Wuhan. Estamos a falar do silêncio das autoridades que duraram mais de um mês, antes de disparar o alarme". Cervellera continuou: “Penso que os presentes da China na Itália seriam ainda mais bem-vindos se Pequim e Xi Jinping dessem ao seu povo liberdade de expressão. Ele faria um favor ao seu povo e ao mundo inteiro. ”

Outros acreditam que a China irá tirar dividendos geopoliticamente desta sua ofensiva diplomática, especialmente desde que os Estados Unidos fecharam a sua fronteira com o Canadá na quarta-feira, e dias depois de começar a pôr em vigor proibições de viagens da Europa e de outros países (a 11 de março).

Douglas Paal, ex-assistente especial do presidente americano George W. Bush e diretor sénior de assuntos asiáticos do Conselho de Segurança Nacional, disse VOA: "De muitas maneiras, estou preocupado com a resposta trágica e incompetente do governo Trump à situação. Se a China se beneficia com isso, é em grande parte porque deixamos que isso aconteça.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.