Depois de ser divulgado no início desta manhã que Pedro Sánchez iria a Barcelona visitar a sede da polícia da Catalunha e os hospitais onde se encontram os agentes feridos nas manifestações dos últimos dias, a plataforma “Tsunami Democràtic” lançou uma convocatória improvisada nas redes sociais.

“Apelo urgente, agora e hoje, aos cidadãos de Barcelona. Enquanto preparamos a próxima ação, convocamos todos, entre as 13:00 e as 14:00 [menos uma hora em Lisboa] na esquina das ruas Mallorca e Roger de Llúria. Hoje, que o presidente espanhol visita a Catalunha, vamos deixar claro: sit and talk (sente-se e fale)”, assinalava a mensagem.

Posteriormente, a “Tsunami Democràtic” apelou que as pessoas manifestassem sentadas com as mãos levantadas e a segurar cartazes escritos em inglês com a palavra de ordem: “Sit and talk” (sente-se e fale).

A plataforma “Tsunami Democràtic”, cuja atividade está a ser acompanhada de perto pela justiça espanhola, promoveu no dia 14 a primeira mobilização contra a sentença que condenou 12 dirigentes políticos catalães, no Aeroporto de El Prat.

O Supremo Tribunal espanhol condenou, nesse dia, os principais dirigentes políticos envolvidos na tentativa de independência da Catalunha a penas que vão até um máximo de 13 anos de prisão.

A sentença motivou protestos de grupos de independentistas, que começaram no próprio dia e se têm repetido diariamente em Barcelona e em outras cidades da região autónoma, tendo ficado marcadas por confrontos entre grupos violentos e as forças de segurança que já deixaram 289 polícias feridos.

Hoje em Barcelona, Pedro Sánchez elogiou a Polícia Nacional como “um exemplo de profissionalismo e de vocação de serviço público” e pediu aos agentes que “assegurem a moderação que representam” os órgãos policiais para “garantir a convivência”.

Pedro Sánchez discursou perante agentes policiais na Sede Superior da Polícia da Catalunha, na Via Laietana, em Barcelona, acompanhado pelo ministro do Interior, Fernando Grande-Marlaska, e pela delegada do Governo na Catalunha, Teresa Cunillera.

“Não estão sozinhos, há muitas pessoas atrás de vocês”, salientou Sánchez, que teve “palavras de agradecimento, reconhecimento, solidariedade, apoio e sobretudo de incentivo” para os agentes.

“Neste momento, é muito importante garantir a moderação que as forças e os órgãos de segurança representam, para assegurar essa convivência que está agora em questão”, realçou.

Após a sua visita à sede, Sanchez saiu do edifício, onde ouviu algumas vaias e gritos de “liberdade presos políticos”, antes de se dirigir para os hospitais onde se encontram os polícias feridos nos distúrbios ocorridos nos últimos dias nas ruas de Barcelona.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.