Em nota publicada hoje, Jorge Carlos Fonseca refere que “sob proposta do Governo” deu “por finda” a comissão de serviço de Carlos Veiga como embaixador de Cabo Verde em Washington.

Não são adiantados motivos para esta decisão ou indicado o sucessor de Carlos Veiga, que tinha sido nomeado para aquelas funções em 2016.

Contudo, em 2019, Carlos Veiga, insistentemente apontado como potencial candidato às eleições presidenciais de 2021 em Cabo Verde, admitiu que depois de deixar o cargo de embaixador tomará uma decisão sobre essa eventual candidatura, sem a colocar de parte.

Carlos Veiga, 70 anos, foi primeiro-ministro entre 3 de abril de 1991 e 29 de julho de 2000, o primeiro chefe do Governo do país escolhido em eleições multipartidárias.

Foi eleito pelo Movimento para a Democracia (MpD), partido que voltou ao poder em Cabo Verde na sequência das eleições legislativas de 2016.

Entre 2001 e 2016, o Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) esteve no poder no país, tendo como primeiro-ministro José Maria Neves que, em entrevista recente à Lusa, admitiu igualmente concorrer ao cargo de Presidente da República nas eleições previstas para o próximo ano.

"Eu diria que hoje a possibilidade é muito mais forte de ser candidato a Presidente da República. É uma possibilidade forte, estou a trabalhar para transformar essa possibilidade em certeza e hoje essa possibilidade é muito mais forte do que era antes", afirmou em agosto José Maria Neves.

Às próximas eleições presidenciais de 2021 não concorrerá Jorge Carlos Fonseca, que terminará nessa altura o seu segundo mandato como chefe de Estado de Cabo Verde.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.