O Primeiro Comando da Capital (PCC), organização criminosa brasileira, detonou há meses as regras do tráfico de drogas no Brasil. Fê-lo em grande estilo, ao matar com armamento antiaéreo, o 'Rei da Fronteira', nos limites com o Paraguai - uma emboscada espectacular que deu à quadrilha as chaves do sul do país.

Agora, o grupo procura impor-se no norte, mas não há lugar para todos os que querem controlar o negócio da droga no segundo país que mais consome cocaína no mundo.

A ruptura entre o poderoso PCC, de São Paulo, e o Comando Vermelho (CV), do Rio de Janeiro, as duas maiores facções do crime organizado no Brasil, ficou evidente na semana passada com os corpos decapitados e esquartejados da centena de presos mortos nos estados do Amazonas e de Roraima.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, as outras 25 facções que actuam no Brasil tomaram partido por um grupo ou por outro, enquanto os grandes "chefões" nacionais reformulam o tabuleiro de uma guerra sangrenta.

Um desses grupos é a local Família do Norte (FDN), a terceira facção mais poderosa do país, que se aliou aos cariocas contra o PCC.

"O Comando Vermelho usava as rotas do sul que agora o PCC comanda e teve que procurar soluções no norte. Ali, uniu-se à FDN para fazer uma rota alternativa ao PCC, que quer  dominar todo o Brasil", explicou à AFP o promotor Marcio Sergio Christino, especializado em crime organizado.  

A mais influente entre as facções brasileiras deixou há tempos de ser um bando de presidiários que exigia melhorias nas condições das superlotadas penitenciárias paulistas. Com esse objectivo, surgiu nos anos 1990 e hoje tem mais de 20 mil membros que entenderam que o seu poder é muito mais rentável do outro lado das grades. 

Além do dinheiro do tráfico de drogas, a facção comandada por Marcos Willians Herbas Camacho, o 'Marcola' - preso desde 1999 -, também possui empresas de autocarros, modestas equipas de futebol em São Paulo e, inclusive, uma refinaria de petróleo clandestina, segundo as investigações.

As superlotadas e degradantes prisões brasileiras são, além disso, caldo de cultura para estes grupos criminosos.

"O PCC é uma organização muito sólida, hierárquica, com regras muito definidas e uma divisão clara de tarefas e funções", explicou Sergio Adorno, coordenador do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo.

A luta pelo Rio

De São Paulo para a 'Cidade Maravilhosa'. A bela cidade, encravada numa paisagem tropical, esconde as suas comunidades nas ruas intrincadas onde se trava uma batalha pelo controlo do tráfico de drogas.

Nas décadas de 1980 e 1990, o negócio no Rio estava nas mãos do Comando Vermelho, a facção do crime organizado mais antiga do país, nascida no fim da década de 1970 da união, na prisão, de presos políticos com criminosos comuns.

De assaltos a bancos e sequestros, a organização desviou-se para o tráfico de drogas, actividade que controlou durante anos.

O Comando Vermelho (CV) cresceu tirando proveito do 'boom' do consumo de cocaína no Brasil, revertendo os seus lucros e diversificando outras actividades, como o tráfico de armas.

Mas deixou de ser o mesmo. Ao contrário do PCC, o CV não é tão organizado, nem tem vocação hegemónica, afirma o procurador de Justiça do Rio, Alexander Araújo, em entrevista à AFP.

Além do assassinato do narcotraficante Jorge Rafaat, o 'Rei da Fronteira', este procurador considera que a origem da guerra actual entre o PCC e o CV começou quando grupos menores do Rio uniram-se aos paulistas, facilitando-lhes o acesso a enclaves emblemáticos como a Rocinha, a maior favela do Brasil.

Assim, o PCC uniu-se à Amigos dos Amigos (ADA) e ao Terceiro Comando Puro (TCP), ambos dissidentes do CV. 

E o mesmo aconteceu em sentido contrário em outras regiões do Brasil, como a proximidade do Comando Vermelho com o Primeiro Grupo Catarinense, de Santa Catarina, e a agora famosa Família do Norte, do Amazonas.

Uma ameaça: o 'Narcosul'

Como parte das redes de narcotráfico, as facções criminosas não são um problema exclusivo do Brasil. Com 17.000 km de fronteiras,  o maior país da América Latina é um ponto-chave no comércio mundial de drogas.

"O PCC conseguiu ser o primeiro cartel brasileiro de tráfico internacional, o 'Narcosul', como o chamamos, que envolve Bolívia, Paraguai e Brasil", explicou o promotor Christino. 

Dos grandes centros produtores de cocaína - Colômbia, Bolívia e Peru, todos fronteiriços com o Brasil -, o território brasileiro é um enorme corredor terrestre para o envio de drogas para a Europa, com escala em África.

Alguns investigadores apontam que grupos brasileiros já tentam aproximar-se dos "chefões" das drogas na Colômbia com a vantagem de oferecer uma das rotas mais importantes do narcotráfico internacional.

Mas antes, precisam vencer a guerra em casa.

AFP