Página gerada às 10:15h, quarta-feira 18 de Outubro

Alphabet parece querer desistir da sua ambição de construir uma rede global de satélites

11 de Janeiro de 2017, 14:43:00

A “empresa-mãe” da Google vai abrir mão do negócio de internet por satélite, mas pode não sair completamente deste segmento.

A Google – quando ainda era apenas Google – comprou a Skybox Imaging por 500 milhões de dólares em junho de 2014, uma manobra com a qual planeava aumentar a precisão do seu serviço de mapeamento digital e desenvolver uma rede de satélites em redor do planeta para fornecer internet às mais remotas localizações e disponibilizar serviços de emergência em caso de desastres, naturais e não só.

De acordo com as informações avançadas pela Bloomberg, a Alphabet, dona da Google, pode estar a considerar abrir mão deste negócio e passá-lo para a startup Planet, com quem supostamente está já em negociações.

Fontes não identificadas alegam que alguns dos funcionários da divisão responsável pelas tecnologias da Skybox vão passar para a tutela da empresa compradora. Os restantes serão recolocados noutros departamentos da Google.

Segundo consta, a Alphabet tem vindo a “colocar na gaveta” projetos que considera serem demasiado ambiciosos e dispendiosos.

Mas esta transação com a Planet não vai deixar a empresa de mãos vazias, visto que o preço do negócio deverá passar pela aquisição de uma participação na startup, o que, em teoria, lhe dará acesso às tecnologias que está a vender.

O fornecimento de acesso à internet em todos os locais do planeta Terra, mesmo nos mais isolados, parece ser uma ambição transversal aos grandes nomes da esfera tecnológica.

Recorde-se que a SpaceX de Elon Musk tem planos para criar uma rede de satélites em torno do planeta para globalizar o acesso à internet.

Por seu lado, também o Facebook quer levar o mundo online a todos, mas não através de uma malha de satélites, mas sim por meio de um drone solar chamado Aquila.

Contudo, com a aparente saída da Alphabet e, consequentemente, da Google deste cenário, as concorrentes têm um maior espaço de manobra.

Comentários

Critério de publicação de comentários

 

SAPO Jornais