Página gerada às 20:57h, segunda-feira 16 de Outubro

A receita para o pitch perfeito explicada pelo “The Pitch Doctor”

06 de Outubro de 2017, 16:45:40

O Web Summit 2017 vai trazer a Lisboa mais de mil oradores, 21 conferências, 60 mil participantes de 170 países e, pelo menos, 1.600 startups que procuram a atenção dos mais de 1.500 investidores previstos. E para isso os empreendedores vão ter de estar preparados para fazer vários “pitches”, apresentações breves das empresas a investidores, diferenciando-se entre todo o ruído do evento e mostrando as suas mais valias em poucos minutos.

O nível de dificuldade é elevado, mas esta semana Christoph Sollich apresentou em Lisboa a receita perfeita. O empreendedor começou a sua carreira como copywriter em publicidade, mas, depois de ganhar vários prémios de "Best Pitch" em hackathons e eventos de startups, as pessoas começaram a procurar os seu conselho para fazer pitches. Nasceu, assim, o “The Pitch Doctor”.

Durante a conferência que assinalou o primeiro aniversário da StartUP Portugal, onde foram anunciadas as 150 startups nacionais vencedoras do Road2WebSummit , Christoph Sollich defendeu que passamos a vida a fazer pitchs e, para uma startup, “tudo é um pitch”.

“Um ótimo pitch não vai salvar uma má startup, mas um mau pitch pode arruinar uma ótima startup”, lembrou na sua apresentação.

Tendo essa ideia em mente, o “The Pitch Doctor” deu aos presentes a receita para o pitch perfeito, esclarecendo que uma boa performance dependerá de cinco “medicamentos”.

O primeiro “pill” é a necessidade de falar com os investidores e criar neles uma reação emocional, entretendo-os e, o mais importante, surpreendendo-os.

De seguida, é preciso saber o porquê de se estar a fazê-lo porque os investidores “não compram o que estás a vender, mas sim o porquê de estares a fazê-lo”.

A terceira fase do tratamento é perceber que “pitching e acting não são a mesma coisa”, pelo que cada pessoa deve encontrar o seu estilo e ser ela própria.

O uso errado do PowerPoint pode ser um desastre quando não se separa a informação para uma apresentação pública de um email. Assim, a quarta lição é o correto uso desta ferramenta.

Por fim, o Santo Graal do Pitching: as apresentações têm que ser curtas e precisas, e isso é algo que apenas é alcançado com a prática.

Christoph Sollich terminou a sua lição, mostrando como se faz. Espreite o vídeo do mesmo pitch em Barcelona.

Comentários

Critério de publicação de comentários

 

SAPO Jornais