Página gerada às 16:54h, quinta-feira 19 de Outubro

Grupo islândês assume gestão do negócio internacional de campanha cabo-verdiana TACV

10 de Agosto de 2017, 12:44

Praia, 10 ago (Lusa) - O grupo Icelandair, da Islândia, assume a partir de segunda-feira a gestão do negócio internacional da companhia aérea pública cabo-verdiana TACV, que vai custar ao Estado cabo-verdiano 925 mil euros e visa preparar a empresa para a privatização.

O contrato de gestão da TACV Internacional foi assinado hoje, na cidade da Praia, pelos ministros cabo-verdianos das Finanças, Olavo Correia, e da Economia, José Gonçalves, pelo presidente e Administrador Executivo da TACV, José Luís Sá Nogueira e Armindo Sousa, respetivamente, e pelo vice-presidente da Loftleider Icelandic, pertencente ao grupo Icelandair, Erlendur Svavarsson.

O ministro da Economia informou que o Plano de Negócios começa a ser executado na próxima segunda-feira e a base aérea será na ilha do Sal, que tem um aeroporto com melhores condições e com espaço para expansão.

José Gonçalves indicou que a Icelandair vai reforçar a frota internacional da TACV com mais dois aviões, aumentando para cinco até final do próximo ano e 11 dentro de três anos.

Neste momento, o ministro disse que o grupo islandês não entra com capital na TACV, mas sim a prestar um serviço de gestão com vista à privatização do negócio internacional, cujo decreto-lei já foi aprovado pelo Conselho de Ministros.

Dizendo que a Icelandair pode vir a ser um dos "parceiros estratégicos" para a privatização da TACV Internacional, e depois, sim, entrar com capital, José Gonçalves salientou que isso será feito num "quadro jurídico estabelecido pela lei".

O contrato de gestão terá a duração de um ano, renovável por igual período, caso a privatização não acontecer antes.

Quanto ao Governo de Cabo Verde, o ministro informou que entrará com 100 mil euros no primeiro mês e 75 mil euros por mês durante o período em que a Icelandair vai gerir a empresa, o que dá um total de 825 mil euros em 11 meses e 925 mil euros no total.

Considerando que se trata de um "acordo estruturante", José Gonçalves sublinhou que o objetivo do Governo é fazer a reestruturação da TACV e coloca-la na "dimensão certa" para a venda e transformar Cabo Verde numa plataforma de prestação de serviços aéreo no atlântico.

O vice-presidente da Loftleider Icelandic, pertencente ao grupo Icelandair, Erlendur Svavarsson, disse que o contrato é uma "grande oportunidade" para, além de mais aviões, o grupo trazer conhecimento e experiência da aviação para Cabo Verde.

O grupo, com mais de 80 anos de história, pretende também aumentar a conectividade do país com o mundo e trazer mais turistas param o arquipélago africano.

Para já, José Luís Sá Nogueira vai continuar como presidente do Conselho de Administração da TACV, mas a Icelandair vai ter um administrador delegado em Cabo Verde, que será o português Mário Chaves.

Em declarações aos jornalistas, Mário Chaves, que depois vai assumir a administração executiva, disse que a Icelandair vai introduzir um novo modelo, que terá oportunidades para expandir e ligar Cabo Verde aos quatro continentes, trazer crescimento e emprego ao país.

O responsável não fala sobre a futura privatização da TACV nem dos custos da operação para a Icelandair, dizendo que, para já, a ideia é concentrar nos fluxos com Europa, África e Américas.

Mário Chaves avançou que as alterações na gestão da TACV terão impacto e passarão, por exemplo, pelas vendas, onde a companhia quer ser competitiva e continuar a ser uma referência.

O administrador delegado disse também que a Icelandair vai ajudar o Governo cabo-verdiano a procurar uma solução para a dívida da TACV, que ascende a 100 milhões de euros.

A assinatura do acordo de gestão da TACV Internacional foi presenciada por diversas personalidades da sociedade cabo-verdiana, entre elas o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, que considerou que a Icelandair é o "melhor parceiro" para um "negócio credível".

A partir de agora, Ulisses Correia e Silva espera potenciar o turismo entre Cabo Verde e o norte da Europa, lembrando, para isso, a medida governamental de isentar de vistos os cidadãos da União Europeia e do Reino Unido.

A gestão - e futura privatização do negócio internacional da TACV - é outro ponto da reestruturação da TACV, depois da atribuição dos voos domésticos em exclusivo à Binter Cabo Verde, em cujo capital o Estado cabo-verdiano entrará com 49%.

O fim das operações domésticas levou os trabalhadores a realizarem uma manifestação na cidade da Praia para exigir informação quanto a despedimentos, indemnizações e também como será feita a incorporação de boa parte na Binter.

O presidente do Conselho de Administração disse que a reestruturação vai implicar o despedimento de cerca de 260 pessoas, o equivalente a cerca de metade do efetivo de trabalhadores.

Apesar de salientar a necessidade de reduzir os custos e de procurar uma solução para as dívidas, o primeiro-ministro reafirmou hoje que todos os direitos dos trabalhadores serão salvaguardados com a reestruturação da TACV.

O Governo já avançou também que está a preparar uma linha de crédito e um fundo para ajudar os trabalhadores com maiores dificuldades a reintegrarem-se no mercado de trabalho.

RYPE // EL

Lusa/Fim


Comentários

Critério de publicação de comentários

 

SAPO Jornais